Notícias

Relatório sugere vendas da Toca I, Ginásio do Barro Preto e Sede Campestre 2 para pagar R$ 300 milhões em dívidas

Por Samuel Venâncio/ Fábio Rocha, 11/01/2020 às 11:40
atualizado em: 12/01/2020 às 07:00

Texto:

Foto: Rômulo Ávila/Itatiaia
Rômulo Ávila/Itatiaia

Logo após assumir como CEO do Cruzeiro, Vittorio Medioli elaborou um plano de recuperação do clube com uma série de pontos. No relatório, que a Itatiaia teve acesso, a estrutura organizacional e o quadro de funcionários da Raposa foram colocados em xeque. Ao fim do documento, há um tópico chamado “Recomendação de Medidas Imediatas” para serem implantadas com a intenção de sanar os principais problemas.

Dentre essas recomendações estão as vendas da Toca I, Ginásio do Barro Preto e Sede Campestre 2, que seriam oferecidos como garantia de quitação de R$ 300 milhões de dívidas.

Assim, só seriam mantidos como patrimônio do clube a Toca II, a Sede Campestre 1 e a sede administrativa da Timbiras.

No entanto, a dificuldade inicial de se implantar todas as medidas emergenciais acabou gerando desgaste no clube. Tanto que apenas duas semanas após assumir, o Núcleo Dirigente Transitório já acumula duas baixas: Vittorio Medioli e Pedro Lourenço. Mas o plano segue de pé e não há nada que impeça os integrantes do grupo de colocarem em prática alguns pontos.

Dentre as outras medidas a serem tomadas pelo plano de reconstrução do Cruzeiro está o enxugamento dos quadros do clube “mantendo 55% (295 funcionários) dos 533 funcionários contratados; reduzir a folha mensal administrativa de R$ 4,5 milhões para R$ 1,6 milhão; reduzir a folha de futebol dos atuais R$ 16,1 milhões para R$ 3 milhões; e limitar despesas administrativas e operacionais em R$ 1,1 milhão por mês, realinhando o orçamento para geração de superávit que permita amortizar as dívidas do clube”.

Outros pontos são: a contratação da empresa Kroll Investigação para apurar responsabilidades criminais e embasar recuperação de créditos, desvios, apropriações seguindo a fuga de divisas e valores; contratar a Ernst & Young nos moldes do Botafogo para conduzir o projeto de clube empresa; auditar todos os contratos de atletas de base e profissionais e inserir no estatuto a obrigatoriedade de auditoria internacional, contábil, financeira e operacional em todos os setores do clube.

Por outro lado, há um ponto do plano de reconstrução do Cruzeiro que já é de conhecimento público: a revisão do contrato da Adidas ou a instituição de uma marca própria de fornecedora de material esportivo.

O relatório prossegue com as recomendações: adaptação do clube a uma realidade de Série B “esquecendo momentaneamente a Série A”; renegociar contratos e situação dos principais atletas; renegociar o PROFUT (REFIS do futebol), apresentando compromisso de reorganização do clube; a venda de atletas valorizados para captar R$ 80 milhões que seriam usados para atender as principais dívidas de curto prazo, garantindo a sobrevida do clube.

Além dessas recomendações, o relatório aponta a necessidade de “preparar um plano de recuperação financeira semelhante à recuperação judicial, até que o Projeto de Lei específico de recuperação judicial de clubes seja sancionado”.

O relatório aponta também a obrigação de vetar a prática de nepotismo de conselheiros e dirigentes em qualquer setor do clube, ressalvados casos de relevante interesse, referendado pelo Conselho Deliberativo, e unificar o jurídico sobre uma única diretoria subordinada à presidência.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA RECOMENDAÇÃO DE MEDIDAS IMEDIATAS NO CRUZEIRO

- Finalizar auditoria da BDO de 2018 e realizar a de 2019;

- Contratar a Kroll Investigação para apurar responsabilidades criminais e embasar recuperação de créditos, desvios, apropriações seguindo a fuga de divisas e valores;

- Contratar a EY nos moldes do Botafogo para conduzir o projeto de Clube Empresa e ordenar planejamentos e estratégias operacionais;

- Auditar todos os contratos de atletas de base e profissionais para determinar seus verdadeiros titulares;

- Inserir no estatuto a obrigatoriedade de auditoria internacional, contábil, financeira e operacional em todos os setores do clube;

- Preparar para um plano de recuperação financeira semelhante a recuperação judicial, até que o projeto de lei específico de recuperação judicial de clubes seja devidamente sancionado;

- Estudar, para fins de suporte financeiro emergencial, a participação de uma empresa SPE de prazo limitado de 24 meses capitalizada por investidores e torcedores;

- Estabelecer regras de contratação de Recursos Humanos (RH);

- Vetar a prática de nepotismo de conselheiros e dirigentes em qualquer setor do
clube, ressalvados casos de relevante interesse, referendado pela Conselho;

- Estabelecer organograma que permita visualizar tarefas, responsabilidades, autonomia, poderes, fluxogramas e processos;

- Unificar o jurídico sobre uma única diretoria subordinada a presidência;

- Enxugar os quadros do clube mantendo 55% (295 funcionários), dos 533 funcionários contratados; reduzir a folha mensal administrativa de R$ 4,5 milhões para R$ 1,6 milhão; a folha de futebol dos atuais R$ 16,1 milhões para R$ 3,0 milhões; e limitar despesas administrativas e operacionais em R$ 1,1 milhão por mês, realinhando o orçamento para geração de superávit que permita amortizar as dívidas do clube;

- Adaptar o clube a uma realidade de Série B, esquecendo momentaneamente a Série
A;

- Renegociar contratos e situação dos principais atletas;

- Renegociar o PROFUT (REFIS do futebol), apresentando compromisso de reorganização do clube;

- Regularizar e disponibilizar para venda os imóveis Barro Preto, Toca 1, Campestre 2 (estacionamento em frente à Campestre) oferecendo-os a garantia de quitação de R$ 300 milhões de dívidas, mantendo-se Toca 2, Campestre 1 e Sede Timbiras;

- Venda de atletas valorizados para captar R$ 80 milhões que seriam usados para atender as principais dívidas de curto prazo garantindo a sobrevida do clube;

- Rever contrato da Adidas ou instituir marca própria seguindo a tendência dos clubes em fase de reestruturação (Bahia, Fortaleza, Coritiba e Ceará);

- A marca própria poderá acrescentar receitas de R$ 25/30 milhões por ano em relação ao contrato da Adidas. Contrato este altamente desfavorável em relação a outros clubes firmados pela própria Adidas na Argentina, como por exemplo o Boca
Juniors e River Plate (na ordem de R$ 32/40 milhões fixos por ano, mais participação nas vendas);

- Abrir uma tomada de propostas para concessão de uso da marca para peças de vestuários, sapatos, acessórios, academias, produtos variados como bebidas, alimentos e utilidades;

- Adotar parcerias estratégicas com clubes de menor porte para desenvolvimento atlético;

- Elaborar um plano estratégico de enfrentamento imediato, outro de longo prazo, que sinalize ao mercado e aos investidores um sério trabalho de redenção do clube atualmente execrado pela péssima administração.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    A data oficial da eleição é 3 de novembro, e a cifra de votos antecipados indica a chance de votação recorde neste ano. #Itatiaia

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    A vítima de 53 anos foi socorrida se queixando de dor nas costas, mas consciente. #Itatiaia

    Acessar Link