Notícias

Senado recebe pedido de CPI sobre indenizações de voo da Chapecoense

Por Agência Estado, 05/09/2019 às 15:23
atualizado em: 05/09/2019 às 15:30

Texto:


Quase três anos após a queda do avião que transportava o time da Chapecoense e jornalistas para a final da Copa Sul-Americana em Medellín, na Colômbia, o Senado recebeu essa semana um pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar e pressionar o pagamento das indenizações às vítimas da tragédia que matou 71 pessoas em novembro de 2016.

O requerimento de abertura contou com o apoio de 30 senadores, quase um terço da Casa com o objetivo de "investigar e identificar o motivo pelos quais os familiares ainda não terem recebido suas devidas indenizações".

O requerimento de criação tem de ser lido no plenário pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM/AP). Esse é o primeiro passo para a instalação da Comissão, que ainda depende das indicações de membros pelos líderes partidários. Após isso, os 11 membros titulares elegem um presidente e um relator. O prazo previsto é de 180 dias.

Nas razões do pedido de criação da CPI, os signatários afirmam ser necessário analisar os valores que as seguradoras ofereceram aos familiares e vítimas do acidente, por ser "valor este irrisório, demonstrando um grande descaso e desrespeito com aqueles que ainda sofrem pela morte de seus entes queridos, e estas empresas faturam milhões de reais dos cidadãos brasileiros e do erário público".

O requerimento é assinado pelo senador catarinense Jorginho Mello, do estado do time da Chapecoense, e pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE), Nelsinho Trad (PSD/MS). A CRE vem fazendo uma série de reuniões sobre a queda do avião da equipe de Chapecó (SC) e chegou a convidar duas vezes as empresas à comparecerem na comissão.

Atualmente, apenas duas CPIs estão em funcionamento na Casa. A de Brumadinho, que averigua a tragédia ambiental desde março deste ano em Minas Gerais, e a CPI Mista das Fake News, instalada nesta quarta-feira (4).

 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link