Notícias

Professora que amarrou aluno na cadeira com fita adesiva deve indenizá-lo em R$ 6 mil

Por Com informações do TJMG , 03/09/2019 às 15:34
atualizado em: 03/09/2019 às 15:48

Texto:

Foto: Pixabay
Pixabay

O município de Boa Esperança, no Sul de Minas, e uma professora de uma escola municipal da cidade, foram condenados a indenizar um aluno em R$ 6 mil, por danos morais. Segundo o processo, a educadora amarrou o menino com fita adesiva à cadeira da sala de aula. A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve a decisão do juiz Fabiano Teixeira Perlato.

O processo narra que, em abril de 2015, o aluno, que tinha 4 anos, chegou em casa contando que a professora o havia amarrado com fita crepe na cadeira. No dia seguinte, sua mãe foi à escola para tratar do assunto, quando encontrou o pai de um outro aluno, que contou o mesmo caso. A diretora foi então à sala, onde vários meninos confirmaram que a professora havia amarrado os dois com a fita.

Inconformados com a decisão de primeira instância, o município, os pais da criança e a professora recorreram. Os pais pediram o aumento do valor da indenização, enquanto a professora e a cidade tentaram se eximir de culpa, contestando a veracidade das afirmações. A professora, em sua defesa, negou a acusação e explicou que utiliza a fita para colar as letras no chão. Ela contestou a informação de que muitos garotos confirmaram a história.

Em seu voto, o relator, desembargador Elias Camilo Sobrinho, destacou: “O Poder Público, ao receber o estudante em qualquer dos estabelecimentos da rede oficial de ensino, assume o grave compromisso de velar pela preservação de sua integridade física, devendo empregar todos os meios necessários ao integral desempenho desse encargo jurídico, sob pena de incidir em responsabilidade civil pelos eventos lesivos ocasionados ao aluno”.

Os desembargadores Judimar Biber e Jair Varão votaram de acordo com o relator.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link