Auto Truck CPM Interno

Notícias

Maia defende emenda que retoma foro: 'Investigação e decisão continuam na 1ª instância'

Por Agência Estado , 11/09/2019 às 08:20
atualizado em: 11/09/2019 às 09:30

Texto:

Foto: Carolina Antunes/PR
Carolina Antunes/PR

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nessa terça-feira (10) emenda para impedir que magistrados de primeira instância determinem medidas contra políticos como prisão, quebra de sigilo bancário e telefônico e mandados de busca e apreensão. Segundo ele, é preciso evitar "influência emocional" na decisão de juízes.

Parlamentares pretendem, com o aval de Maia, incluir o dispositivo na proposta de emenda à Constituição (PEC) que limita o foro privilegiado a apenas cinco autoridades: presidente da República, vice e presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal.

"O que a gente está dizendo é o seguinte: não pode ter influência emocional na decisão de um juiz. O caso do (ex-governador do Rio Anthony) Garotinho, por exemplo, é um caso claro de influência política. Não tinha motivo para mais aquela prisão", afirmou Maia.

O ex-governador e sua mulher, a também ex-governadora do Rio Rosinha Matheus, ficaram um dia presos na semana passada em desdobramento das investigações envolvendo a construtora Odebrecht. Apesar do exemplo citado por Maia, Garotinho e Rosinha não têm mandato, o que os excluiria da regra caso já estivesse em vigor.

Atualmente, deputados e senadores, por exemplo, só possuem prerrogativa de foro perante o Supremo para crimes cometidos no exercício do mandato e em função do cargo. Governadores, por sua vez, são julgados nessas condições pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Se a proposta da Câmara for aprovada, na prática, parte desse entendimento será revista e a manobra permitirá que políticos com mandato mantenham parte dos privilégios.

Nos bastidores, parlamentares dizem que a alteração na PEC é para evitar que juízes de primeira instância, como Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, ou Luiz Bonat, em Curitiba, determinem a prisão de deputados e senadores ou mesmo outras medidas cautelares, como afastamento de mandato, uso de tornozeleiras eletrônicas e confisco de bens.

Maia disse que a mudança não seria um "retrocesso". "Não está mudando foro nenhum. A investigação e decisão continuam na primeira instância, mas, agora, o que a gente está tentando negociar é que as cautelares fiquem na instância anterior (à publicação da PEC) do agente público. Fica parecendo que é só deputado, mas são 50 mil agentes públicos com foro privilegiado" afirmou Maia.

Apesar da restrição do foro para parlamentares determinada pelo STF, a decisão sobre a quem cabe julgar um deputado ou um senador, no entendimento de ministros da Corte, ainda precisa passar por tribunais superiores. Desta forma, caso a emenda seja aprovada, caberá a um ministro do Supremo decidir se aceita ou não uma medida cautelar contra algum deputado ou senador.

"Estamos construindo um texto para a gente tentar votar o mais rápido possível", disse Maia. A maior resistência a acabar totalmente com o foro privilegiado está no chamado Centrão - bloco informal formado por PP, PL, DEM, Solidariedade e Republicanos - e no PT. Um líder de partido disse ao jornal que, sem o dispositivo, a PEC não vai nem a votação.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link