Notícias

Garrafas de cachaça e lista de dispensa: novo protesto de organizadas em frente à Toca II

Por Redação, 11/09/2019 às 16:31
atualizado em: 12/09/2019 às 14:37

Texto:

Torcedores organizados do Cruzeiro entraram no terceiro dia seguido de protestos contra o time e a diretoria. Na tarde desta quarta-feira, integrantes da Máfia Azul ganharam o reforço de membros de outras torcidas, como Fanati-Cruz, Torcida Jovem, Mancha Azul e Comando Rasta, e fizeram uma nova manifestação em frente à entrada principal da Toca da Raposa II.

No protesto, os torcedores estenderam uma faixa pedindo a saída de oito jogadores (Thiago Neves, Edilson, Egídio, Robinho, Henrique, Pedro Rocha, Ariel Cabral e Jadson) e da diretoria que, segundo eles, “está levando o time do Cruzeiro para as páginas policiais”. Além disso, eles colocaram 12 garrafas de cachaça em frente ao portão de acesso ao Centro de Treinamento avisando ser um “prêmio” para os atletas: “Está aqui pode pegar (sic)”, diz um trecho do texto escrito na faixa.

O vice-presidente Itair Machado foi um dos mais criticados pelas organizadas. “Ôh Itair, seu mercenário, seu sobrenome tinha que ser safado”, gritavam os torcedores (confira no vídeo abaixo).

Um dos poucos poupados foi o técnico Rogério Ceni. Os torcedores caminharam pela rua com uma faixa estendida com os dizeres “Fechado com o Ceni”. 

Este foi o quarto protesto dos torcedores desde a última segunda-feira (9). Integrantes diversas torcidas organizadas fizeram uma manifestação na porta da Toca II, na terça, inclusive abordando alguns jogadores que chegavam ao Centro de Treinamento. Na segunda, a Máfia Azul já havia realizado dois atos: um na sede administrativa do clube, no Barro Preto, e outra em frente à casa do vice de futebol, Itair Machado, pedindo a saída do dirigente.

O Cruzeiro ocupa a 16ª posição no Campeonato Brasileiro, com 18 pontos, três acima da zona de rebaixamento. Em 18 jogos, o time venceu apenas quatro. Além disso, membros da diretoria são investigados pela Polícia Civil por suspeita de falsidade ideológica, falsificação de documentos e lavagem de dinheiro. O Ministério Público de Minas Gerais também analisa documentos do clube.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link