Notícias

Calvície pode causar até depressão, alerta médica da Universidade Federal de MG

Por Redação , 18/09/2019 às 10:00
atualizado em: 18/09/2019 às 10:38

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00


A tão temida queda de cabelo pode gerar sérios problemas emocionais para homens e mulheres que passam por esse processo. O distúrbio é causado pela rarefação (diminuição da espessura ou da densidade) do cabelo perto da testa que pode evoluir para a região da coroa da cabeça. Tanto em homens quanto em mulheres, a redução de cabelo pode trazer insegurança relacionada à aparência e até levar a quadros depressivos.

Ouça a reportagem completa

A médica endocrinologista Maria Marta Sarquis afirma que a calvície é formada por vários fatores. “Hormonais, genéticos, ambientais, pode estar relacionado com problema de envelhecimento ou até mesmo alterações de doenças crônicas, nutrição, produtos químicos...”

A alopécia androgenética feminina pode acometer a mulher depois da puberdade, até 12% das mulheres com 30 anos podem ter, aos 70 anos quase 50% das mulheres podem ter a alopecia. Nos homens pode acontecer depois da adolescência, no adulto de adulto-jovem e vai piorando com o passar dos anos.

Por isso, no mês da conscientização do Setembro Amarelo, que foca na prevenção do suicídio, é importante dar apoio e conscientizar a população de que a calvície deve ser abordada de maneira séria e acompanhada de perto por profissionais da saúde. A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) estima que, no mundo, 300 milhões de pessoas são afetadas pela depressão.

Primeiros sinais

Ao contrário do que muitos pensam, não é possível identificar a calvície somente com a análise da quantidade de fios que caem. Isso porque esse é um processo que é percebido ao longo do tempo. 

Em alguns casos, a alopécia androgenética evolui rapidamente, acometendo indivíduos já no início da fase adulta. Mas na maior parte das pessoas, a calvície evolui de forma lenta. O problema é que não há cura para essa condição. A notícia boa é que o diagnóstico precoce aumenta a eficácia do tratamento. 

Tratamento

Atualmente, existem medicamentos eficazes que freiam a progressão da calvície. No entanto, a automedicação não é recomendada. Por isso, ao perceber os primeiros sinais, procure um dermatologista para indicar o melhor tratamento para o problema. “É um tratamento para o resto da vida. Pode ser medicamento via oral ou local para evitar a queda ou passar por um tratamento mais definitivo, como implante”, diz Maria Marta.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link