Anônimo

Coluna do Anônimo

Veja todas as colunas

Sejamos todos Patric’s

Assim como amamos e aplaudimos de menos, cobramos e nos posicionamos pouco. 

06/06/2019 às 07:15

Amigos, no último domingo, diante do CSA, Patric fez um de seus melhores jogos com a camisa do Atlético. O cara endoidou em campo. Até pedalada deu. Comemorou chute pra escanteio como quem decidisse uma Copa do Mundo. E a torcida alvinegra foi ao delírio com ele. Patric foi ovacionado na Arena Independência. 

Acho que os aplausos e gritos de seu nome foram uma soma de euforias por sua apresentação imediata e pela reabilitação que o lateral vêm mostrando nos últimos tempos - após erros em campo que o fizeram ganhar, mais uma vez, a antipatia da torcida e tomar banco para o novato Guga. Foi mais uma volta da roda-gigante Patric no Galo. 

Sei que muitos o acham injustiçado. Que a torcida pega no pé do jogador como não faz com outros atletas do clube. Isso não vem ao caso. O que importa é o efeito que as cobranças fazem à Patric. Ele não está em alto nível em termos de habilidade, mas chega a estourar o termômetro em força de vontade. E quando você, torcedor, se sentir culpado por tê-lo um dia cobrado, lembre-se da resposta - positiva - que teve. Então valeu a pena. 

Agora, sim, vem ao caso falar do restante do elenco. Não seria melhor cobrar a todos por essa raça e não fazer de Patric uma exceção? Até porque, neste caso, quem é mais provido de qualidade tem ainda mais obrigação de c.o.n.s.t.a.n.t.e.m.e.n.t.e mostrar serviço. Como o Cazares e Chará, que vêm jogando bem, e Ricardo Oliveira, que está em má fase. Estranho ou não: Patric é um exemplo a seguir.

O mesmo me estendo a outros clubes, outras vertentes. Em meio à guerra política no Cruzeiro, em que se expõem supostas falcatruas e lavagem de dinheiro que vão do conselho a terceirizados, é hora de cobrar serviço. Seja em qualquer área, na lateral do campo ou na tesouraria da sede administrativa, é preciso exigir que todos, assim como os torcedores, estejam em prol do clube.

Nelson Rodrigues diz que “essa impotência de sentimento, esse tédio de alma, essa anestesia coletiva e alvar traduz um desinteresse vital tremendo”. E eu digo o mesmo sobre nossa capacidade de se manifestar. Assim como amamos e aplaudimos de menos, cobramos e nos posicionamos pouco. 

A Copa América vem aí. Sem Neymar, um nome que também vive na nossa roda-gigante de críticas. Muitos brincaram que era hora de Patric ter sua chance na Seleção. Não; não é a hora dele. Mas, sim, a nossa hora de sermos com a seleção o que somos com Patric: palpiteiros. É hora de sermos com o Cruzeiro o que somos com Patric: analistas. É hora de sermos com o Atlético o que somos com o Patric: cobradores. E, por fim, vamos ser, de fato, torcedores, e torcer para que nossa mensagem chegue aos representantes do esporte e a resposta seja o cumprimento de seus papéis. Em tempo: não é criar expectativa; é colher o NOSSO plantio. 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link